Este sitio hace uso de cookies propias y de terceros para analizar ciertos hábitos durante su navegación y ofrecerle publicidad adaptada a sus intereses. Al seguir navegando entendemos que acepta nuestra Política de Cookies.

Aceptar
Abrir menú

Brígida Nieto (Grupo Froiz): “Prevemos um desenvolvimento orgânico e também avaliamos possíveis oportunidades de negócio”

Entrevista com Brígida Nieto Grande, diretora de comunicação e marketing do grupo Froiz

Brígida Nieto (Grupo Froiz): “Prevemos um desenvolvimento orgânico e também avaliamos possíveis oportunidades de negócio”

O grupo galego Froiz tem cerca de quinze supermercados e um Cash & Carry em Portugal, país em que planeia aumentar a sua presença. Falámos com a sua diretora de comunicação e marketing, Brígida Nieto, dos planos futuros para este mercado, sobre o qual a Alimarket acaba de publicar um relatório especial, as mudanças nos hábitos de consumo e os desafios que o sector enfrenta.

Alimarket: 2020 tem sido um ano difícil no qual a distribuição alimentar tem sido capaz de se adaptar à situação especial colocada pela pandemia. Como é que a crise sanitária afetou os planos de expansão da sua cadeia?

Brígida Nieto: O ano de 2020 tem sido um ano muito difícil para toda a sociedade e para todo o sector da alimentação. Toda a cadeia alimentar tornou possível, com grande esforço, empenho, colaboração e profissionalismo, o fornecimento diário de alimentos e produtos para o lar em tempos muito complicados de grande tensão e incerteza. Esta crise mostrou-nos que é difícil prever cenários futuros e que as previsões e planos podem ser alterados em qualquer altura. Temos de ultrapassar a crise sanitária, fazer progressos na vacinação e recuperar a atividade nas áreas e sectores mais afetados. Uma vez superada a crise sanitária, as projeções - dos indicadores económicos mais relevantes de que dispomos - apontam para tempos difíceis para a economia. Neste contexto, as empresas de distribuição terão de se adaptar às dificuldades de um sector já competitivo e a novos hábitos de compra que poderão continuar no futuro.

No nosso plano de expansão prevemos um desenvolvimento orgânico centrado nas áreas geográficas onde já temos presença e também avaliamos possíveis oportunidades de negócio e novas localizações. Neste contexto, planeamos abrir um supermercado no Porto, no último trimestre de 2021, e outro na Póvoa de Varzim, no segundo trimestre de 2022. Em princípio, tentaremos continuar a crescer nas áreas onde já estamos e o ritmo de expansão dependerá da procura de instalações e locais adequados, e, claro, da geração de recursos.

A: Como tem evoluído a procura dos consumidores ao longo do último ano? Acha que estas mudanças vão continuar no futuro?

B.N.: O cliente atual prefere mais produtos naturais e visita o ponto de venda com menos frequência. Planificam mais as suas compras e procuram poupar, produtos mais básicos ou produtos que proporcionem valor acrescentado, funcionais, ecológicos, produtos de proximidade e produtos produzidos localmente. E é aí que Froiz deve estar, gerando valor para o cliente: oferecendo qualidade, melhores preços, uma boa gama de produtos, serviço e atenção.

A: O comércio eletrónico aumentou exponencialmente durante a pandemia. Que repercussão teve na sua atividade? Pensa que no futuro irá manter ou aumentar o seu peso no conjunto da distribuição alimentar?

B.N.: Durante o confinamento, as vendas online aumentaram consideravelmente. Na Froiz temos este canal ativo desde 2006 com um sortido completo que inclui produtos frescos. Está operacional em todos os territórios onde existe uma loja Froiz, tanto em Espanha como em Portugal, e é o próprio pessoal da empresa que prepara e envia as encomendas. No ano passado, foi feito um grande esforço logístico e humano para atender a estas compras e aos grupos mais vulneráveis. Oferecemos produtos de qualidade, uma boa relação qualidade/preço, e a nossa própria logística que permite que o produto chegue num estado ótimo de frescura e qualidade, no dia e hora indicada pelo cliente.

Pode dizer-se que a compra de produtos alimentares online está agora a tornar-se um canal adicional de vendas. As empresas de proximidade, como a Froiz, ofereceram segurança e confiança ao cliente durante estes meses e fomos capazes de integrar os dois canais: offline e online.

A: O formato de proximidade tem sido um dos mais beneficiados durante a pandemia. Como é que o crescimento deste formato tem influenciado o modelo das suas lojas?

B.N.: Hoje em dia, a proximidade, ter centros confortáveis e modernos para trabalhadores e clientes, com instalações eco-eficientes e uma vasta gama de marcas líderes e uma variedade de produtos frescos e origens, são importantes. Devemos estar sempre atentos ao mercado e às necessidades dos nossos clientes e tentar adaptar-nos rapidamente às suas necessidades.

O nosso modelo de loja não é homogéneo, temos centros de 300 m2 a 3.000 m2, lojas de proximidade, supermercados em centros comerciais, em zonas turísticas, em ruas centrais de cidades, na periferia, em zonas rurais; por isso, se nos referirmos à mistura de lojas em Espanha, a proximidade predomina e, portanto, as vendas aumentaram. Em Portugal, estamos em zonas mais turísticas e com uma mistura de lojas de menor proximidade, pelo que as vendas sofreram; no entanto, agora esperamos começar a recuperar.

A:. Considera que a crise económica derivada da crise sanitária conduzirá a uma guerra de preços? Como pretende enfrentar o crescimento da concorrência?

B.N.: O preço é uma variável muito importante na decisão de compra, e temos de ser competitivos, mas não é a única variável.

A: A sustentabilidade desempenha hoje um papel importante, que medidas planeiam desenvolver nos próximos anos neste sentido?

B.N.: Na Froiz estamos empenhados há vários anos no desenvolvimento sustentável do negócio, reduzindo a pegada de carbono e o impacto ambiental da nossa própria atividade. As medidas de sustentabilidade implementadas visam principalmente a redução e reutilização dos resíduos que geramos nas áreas logística, comercial, aprovisionamento, reposição e vendas.

Os nossos objetivos em matéria de sustentabilidade a curto e médio prazo são os seguintes: reduzir, reutilizar, reciclar e "repensar" quais os processos internos que podemos melhorar. Continuar a fazer progressos na redução de todos os resíduos gerados nos nossos centros e plataformas, na sua reciclagem e subsequente reutilização para o fabrico de outros produtos, tais como sacos de compras ou embalagens; desperdício alimentar, doando produtos adequados para consumo mas não para venda, ou promovendo-os com descontos no preço. Destinar os resíduos frescos para a compostagem orgânica e/ou para o fabrico de subprodutos SANDACH. A redução da pegada de carbono através da incorporação de mais veículos elétricos; avançar para que 100% da energia elétrica que consumimos em todos os centros de trabalho seja verde, embalagens sustentáveis, promovendo a utilização de embalagens em produtos da marca ‘Froiz’ com menos plástico ou que sejam 100% recicláveis ou reutilizáveis, ou com uma maior presença de material reciclado, redução da utilização de embalagens plásticas na loja e sua substituição por outras mais sustentáveis, minimizar o uso de papel e substituí-lo por outros com selos FSC, energias renováveis, com a instalação de painéis solares fotovoltaicos para aumentar a energia auto-gerada. Melhoria contínua da eficiência energética das instalações de ar condicionado e de refrigeração e comercialização de produtos mais saudáveis e mais sustentáveis sob a nossa marca ‘Froiz’.

A: Quais acha que são os principais desafios a enfrentar nos próximos anos?

B.N.: As empresas devem procurar eficiência, otimizar os recursos, logística, energia, ser sustentáveis, proteger o ambiente e ser socialmente responsáveis. Devemos ser fiéis ao nosso modelo de negócio, baseados na informação e transparência, devemos ter as ferramentas oferecidas pelas novas tecnologias, digitalização, devemos ser reflexivos, analíticos e ativos na escuta ativa, facilitar a comunicação e continuar a trabalhar para fazer as coisas melhor.

A: Quais considera serem os pontos fortes do seu modelo em comparação com outros retalhistas?

B.N.: O nosso modelo de negócio permanece o mesmo. O nosso objetivo é oferecer aos clientes a melhor qualidade aos melhores preços, com bom serviço e atenção nos centros de proximidade, bem como uma vasta gama de produtos frescos, produtos de marcas líderes e marca Froiz. O cliente está no centro de todas as decisões: "Sempre ao seu serviço", tentando responder às suas exigências e necessidades. Sem esquecer que temos de inovar no sortido, nas instalações, nos processos, etc., porque embora os valores comerciais sejam os mesmos, não podemos compreender hoje a mesma coisa por serviço ou sortido eficiente como há alguns anos atrás.

Estamos num processo contínuo de mudança e somos obrigados a ouvir e estar muito atentos às mudanças, para oferecer o melhor aos nossos trabalhadores, clientes e ambiente.



Compartir por e-mail

Recibe nuestras Newsletters

¿Ya estás registrado? Gestionar sin cuenta Alimarket

Marca los sectores que te interesan y recibirás una newsletter diaria con los titulares de las principales noticias

<

Gestiona tus preferencias a nuestras Newsletters

Recibirás un mail de acceso para gestionar tus preferencias de newsletters